AdSense

Grepolis

sexta-feira, 26 de abril de 2013

LG planeja lançar o primeiro smartphone flexível com tela OLED


flexível com tela OLED
Enquanto as gigantes do mundo mobile brigam para ver quem tem o smartphone mais veloz, mais fino, mais performático e mais inteligente, A LG Electronics já tem sua carta na manga para entrar na disputa. Pensando em dar um passo à frente das concorrentes, a empresa já planeja lançar seu primeiro smartphone com tela flexível, utilizando a tecnologia OLED, ainda este ano. Quem informou foi o Wall Street Journal.
A companhia já havia indicado seus planos de novos displays durante uma conferência realizada no primeiro trimestre, quando revelou seus lucros em um comparativo com o mesmo período do ano anterior.
Os próximos displays, além de curvos e flexíveis, ainda serão à prova de choque e resistentes a quedas, característica que certamente auxilia a manter o smartphone 'vivo' por mais tempo, suportando os impactos do corre-corre diário de seus futuros usuários.
E não é de hoje que a LG vem testando seus displays flexíveis. De fato, a empresa está em uma disputa silenciosa com a Samsung, que também tem investido nos displays curvos, para ver quem é que traz o primeiro smartphone dotado desta tecnologia ao mercado mundial. De acordo com o Electronista, o primeiro protótipo de tela flexível da LG foi anunciado em 2008, contando com uma resolução ainda rústica, de 320 x 240 pixels.
Recentemente, a empresa também apresentou planos de trazer a primeira TV 3D com tela OLED curva ao mercado até o final deste ano. O televisor conta com 55 polegadas e, segundo a companhia, cria uma atmosfera imersiva incomparável para o telespectador. No futuro, a empresa pretende lançar TVs ainda maiores, utilizando a mesma tecnologia.


Creditos: Canaltech

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Como usar o MEGA, o novo 'MegaUpload'?

mega
Demorou mas chegou! Bastante anunciado por Kim Dotcom e esperado por muitos usuários, o MEGA já está no ar fornecendo 50 GB de armazenamento gratuito para todos os usuários. Hoje vamos aprender como utilizar o serviço que antes era conhecido como Megaupload para guardar nossas músicas e vídeos e acessá-los de qualquer lugar. Confira!
Ao entrar no site do MEGA é necessário criar uma conta para começar a usá-lo. Clique em "Register" na barra superior do site e na tela seguinte entre com seu nome, um endereço de e-mail e senha de acesso. Marque a opção "I agree with MEGA Terms of Service" e clique no botão "Register" abaixo.
Página inicial do Mega
Cadastro
Uma mensagem de confirmação será enviada para o e-mail cadastrado. Basta clicar no link que você será redirecionado para a página onde a sua conta será criada. Durante a ativação, aparecerá uma mensagem dizendo que a sua chave de criptografia está sendo criada utilizando o movimento do mouse e teclas digitadas. Essa é uma notícia muito boa, pois nos dá a certeza de que nossos arquivos estarão seguros e livres de acessos mal-intencionados.
Um dos recursos que são essenciais para que o serviço faça sucesso no Brasil é o suporte à nossa língua. Se ainda estiver em inglês, basta ir até a barra superior onde está "English" e alterar para "Português do Brasil".
Idioma
Agora, para mostrar um dos recursos mais interessantes do MEGA, o compartilhamento de arquivos, vamos criar uma pasta chamada "Teste" clicando em "Nova pasta" e em seguida fazer o upload de algumas músicas clicando em "Upload de arquivos":
Nova pasta
Arquivos
Agora basta clicar no arquivo ou arquivos que deseja compartilhar e copiar o link, disponibilizando-o para quem quiser e com toda a segurança da criptografia. Este recurso foi o que tornou o antigo Megaupload tão popular, assim como arranjou vários problemas legais para o seu fundador.
Menu
Ainda em fase Beta, o Mega inova por trazer um generoso espaço de armazenamento de 50 GB e uma interface bastante polida, mas ainda está bastante cru. Com o tempo, provavelmente veremos aplicativos para Android, iPhone e PC para tirar vantagem de tantos arquivos.
Gostou do MEGA? Conte para nós nos comentários!


Creditos: Canaltech

Smartphones já estão mais baratos no Brasil

Empresas do varejo já estão repassando a desoneração de duas taxas retiradas pelo governo.

Por Renan Hamann em 16 de Abril de 2013

Smartphones já estão mais baratos no Brasil (Fonte da imagem: Divulgação/Samsung)
Na semana passada, o governo brasileiro decretou a isenção de duas taxas para estimular a venda de smartphones no país. PIS e Cofins foram reduzidos a zero para que custem até R$ 1.500, o que deveria resultar em uma queda de pelo menos 9,25% no preço que chega ao consumidor final — pois é esse o valor que as empresas deixam de pagar ao governo. E as empresas do varejo já estão repassando os descontos aos consumidores, como foi relatado pelo G1.
Há alguns aparelhos que ainda não estão com os 9,25% da redução prometida, mas isso deve ser regularizado nos próximos dias — não sendo, as empresas podem ser autuadas pela fiscalização federal. Por outro lado, há modelos que já ultrapassam a margem mínima do governo — chegando aos 11% em alguns casos. Segundo o G1, alguns grupos varejistas preveem um aumento de até 30% no volume de vendas de smartphones nos próximos meses.
Fonte: G1

Creditos: TecMundo

Anúncios e aplicativos pagos estão proibidos no Google Glass

 Primeiras unidades do produto começaram a ser enviadas hoje para desenvolvedores.

Anúncios e aplicativos pagos estão proibidos no Google Glass
 

As primeiras unidades do Google Glass começaram a ser enviadas para os desenvolvedores e, aos poucos, mais e mais novidades sobre o produto começam a aparecer online. E se você pretendia ganhar alguns trocados com a inovação, é melhor tirar o cavalinho da chuva: pelo menos por enquanto, não é permitido exibir anúncios ou cobrar por aplicativos disponibilizados para o dispositivo.

O Google explica que, como se tratam dos primeiros softwares e experiências com a nova plataforma, a ideia é permitir que os produtores inovem e explorem todo o potencial do Glass. A própria empresa admitiu que tal norma pode acabar mudando no futuro, já que os desenvolvedores são parte essencial da estratégia com o produto.

Caminhos diferentes

Além disso, outra regra curiosa distingue bastante a estratégia do Google em relação ao Glass e o Android. Os desenvolvedores estão proibidos de liberar aplicativos para o óculos fora dos serviços disponibilizados pela própria empresa, a não ser que ela autorize esse tipo de oferta.

No sistema operacional celular acontece exatamente o inverso e produtores não são obrigados a usar a Play Store como único meio de levar softwares aos clientes.
 
Creditos: TecMundo

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anos

Novas explicações encontradas por cientistas podem fazer com que conheçamos melhor o nosso corpo e nossas origens.

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosA ciência já deu grandes passos, mas muitas dúvidas ainda existem (Fonte da imagem: Reprodução/Thinkstock)
Há pouco tempo, uma notícia causou grande furor no mundo científico. Aparentemente, os pesquisadores do CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear) conseguiram “encontrar” o chamado Bóson de Higgs — ou a “partícula de Deus”, que seria a origem de toda matéria existente no universo. O anúncio de tal descoberta esteve entre as principais notícias do mês, gerando polêmica e grande interesse de várias pessoas de diferentes países.
Além do Bóson de Higgs, outras pesquisas científicas também ganharam notoriedade e admiração por apresentarem resultados surpreendentes. Entre elas está a possível descoberta de água líquida em Marte pela NASA, assim como a provável detecção da matéria escura — que é responsável pela gravidade que mantém as galáxias unidas, sendo um dos grandes mistérios da Física.
Mas quais seriam as outras descobertas recentes que, apesar de não terem recebido um grande espaço na mídia, são igualmente importantes? O Tecmundo listou algumas das pesquisas mais interessantes dos últimos tempos que, além de responderem a diversas questões formidáveis, também podem mudar a ciência como a conhecemos.

1 – O DNA dos neandertais sobrevive em nossos genes

Um estudo genético apresentado há dois anos comprovou que nossos ancestrais Homo sapiens cruzaram com neandertais e que, por isso, estes últimos sobrevivem até hoje no DNA dos humanos. Os testes ainda apontaram que a maioria das pessoas que não são de ascendência africana (como europeus e asiáticos) possuem até 4% de DNA vindo de uma origem neandertal.

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosOs neandertais continuam entre nós. (Fonte da imagem: Reprodução/Wired)
Além disso, o estudo apresentou que não seriam apenas os neandertais a viverem em nós — também foram descobertos resquícios genéticos dos denisovans, os “primos” dos neandertais. Tal descoberta também foi importante por nos mostrar que o Homo sapiens não seria o produto de uma linhagem pura e longa, mas uma mistura hominídea.

2 – Desvendando a “matéria escura” do nosso corpo

O RNA era visto como uma “matéria escura” do DNA, pois a complexidade de seu papel como “mensageiro” em levar, na forma de genes, as instruções necessárias para a produção de proteínas ainda era um mistério para a ciência.
No entanto, aparentemente, uma “luz” caiu sobre essa questão — já que os cientistas acreditam terem compreendido melhor o papel do RNA como uma peça com grande influência na forma que os genomas operam em nosso organismo.
As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosIlustração mostra a diferença estrutural entre o RNA e o DNA (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
Além disso, eles também perceberam que o “DNA lixo” (pedaços que eram classificados como pouco úteis e que são encontrados entre os genes “transportados” pelo RNA) passou a fazer um papel importante na regulação dos genes — especialmente por alguns acreditarem que a verdade sobre o funcionamento desse processo encontra-se exatamente nessas peças.

3 – Desafiando as leis de Newton

Materiais com bizarras propriedades ópticas e que possuem características que não são encontradas em elementos da natureza. Ou, em outras palavras, os chamados metamateriais — tecnologia utilizada por físicos e engenheiros para a manipulação e orientação da luz, criando lentes que superam os limites de outras lentes comuns.

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosIlustração mostra a luz passando diretamente pelos materiais, efeito causado pelos metamateriais (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
Com os metamateriais, os cientistas pretendem utilizar as propriedades ópticas não convencionais (que desafiam também as leis da física) para criar objetos incríveis — como "capas de invisibilidade" a partir de efeitos de camuflagem.

4 – Células “reprogramadas” poderão criar tecidos e órgãos

Um dos grandes avanços na área da saúde está na “reprogramação” de células adultas. Com esta conquista, os cientistas conseguiram transformar células de pele ou sangue nas chamadas “células pluripotentes” — que possuem o potencial de se tornar qualquer tipo de célula existente no organismo.

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosCélulas sanguíneas podem ser reprogramadas para atuarem em outras partes do corpo (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
Tal descoberta é um grande passo para o tratamento de doenças raras, pois os cientistas já estão utilizando a técnica na produção de linhas de células voltadas a determinados pacientes. Além disso, outros genes são capazes de transformar as células da pele em neurônios ou até mesmo em células de sangue. Outro grande objetivo deste tipo de técnica está em poder auxiliar transplantes, criando e substituindo tecidos, células e órgãos.

5 – 9 a cada 10 células do nosso corpo são de micróbios

As 5 descobertas científicas mais interessantes dos últimos anosNosso organismo hospeda muitos micróbios (Fonte da imagem: Reprodução/Estadão)
Há alguns anos, os cientistas vêm aprofundando as análises quanto à interação entre os micróbios e os nossos corpos. Aparentemente, criou-se a teoria de que eles, por fim, fazem realmente parte de nós — já que nove a cada dez células que possuímos são células microbianas. E isso não é algo ruim, acredite.

Pelo que foi estudado até o momento, apenas poucos micróbios realmente nos deixam doentes, já que a maioria utiliza nosso corpo como “casa” e poderia ser classificada como “bons inquilinos”. Somente no nosso intestino, existem cerca de mil espécies de micróbios que trazem ao nosso corpo cem vezes mais genes que o nosso próprio DNA carrega.
Fonte: Science, The Guardian e Wired

Creditos: TecMundo

terça-feira, 16 de abril de 2013

Introdução a Informática!